3
Igualdade de tratamento e oportunidades

Vez ou outra os jornais publicam reportagens bastante reveladoras sobre desemprego no Brasil. Um índice se mantém inalterado: a maioria dos desempregados é afro-descencente. Os negros também lideram o ranking quando o assunto é trabalhar sem carteira assinada e em condições precárias. O que explica isso? Vamos espiar os classificados dos mesmos jornais?

 

Alguns anúncios pedem que o candidato tenha carro próprio, outros exigem nível superior. Há os que solicitam domínio do inglês ou experiência comprovada. Antigamente as pessoas deviam preencher um item importante para concorrer a uma posto de trabalho: a chamada “boa aparência”. Essa exigência foi considerada racista, o que torna a empresa passível de processos. Hoje, muitos empregadores substituíram a ‘boa aparência’ pelo envio de fotografias.

 

Será que o pedido de fotos dos candidatos é uma atitude inocente ou uma prova de preconceito racial? Para respondem estas questões, fizemos um jogo com pessoas comuns nas ruas. Diante das fotografias de cinco brasileiros em busca de emprego, entre brancos e negros, vamos ver quais foram escolhidas para ocupar as vagas fictícias, por parecerem representar melhor a empresa também sediada na ficção.

 

Uma moça branca escolheu três brancos e dois negros, alegando que o critério adotado foi “simpatia”. Houve um negro que selecionou, majoritariamente, afro-descendentes: “No mercado de trabalho seria o inverso. Enquanto não quebrarmos essa coisa de ‘o branco sabe mais do que o preto’, nunca vamos chegar a um mundo melhor”, opina. Uma garota loura selecionou três negros entre cinco candidatos. Um rapaz afro-descendente deu visível preferência a pessoas da etnia negra.

 

Nesta pesquisa informal, o público elegeu mais candidatos negros do que brancos, mas será que esta mesma tendência se repete no cotidiano do mercado de trabalho? “Quem é vítima da discriminação, muitas vezes não toma nem conhecimento de que está sendo discriminado”, rebate o advogado Eloá dos Santos Cruz, ele mesmo alvo de discriminação racial. A experiência da atriz Daniele Ornelas também indica que não.

 

“Fui fazer um teste para um filme em São Paulo, depois de conversar com a produtora pelo telefone. Ela havia ficado super empolgada com meu currículo, tanto que marcou um encontro. Chegando lá, estou vendo uma pessoa passar de um lado para o outro. Até que ela se aproximou e perguntou se eu estava procurando alguém. Quando me apresentei, a primeira reação foi de espanto: ‘Você é a Daniele? Nossa! Imaginei você tão diferente, não sabia que você era assim’. Assim negra. A gente percebe o preconceito velado”, lamenta a atriz.

 

O racismo aparece nas relações de trabalho de forma explícita e implícita. E muitas vezes os negros não só são discriminados pelo mercado profissional, mas também vêem caírem sobre seus ombros a culpa por não terem tido as mesmas oportunidades educacionais que os brancos. “A sociedade brasileira construiu ao longo dos séculos uma percepção muito negativa dos povos de origem africana e a escola tem um papel importantíssimo: mudar essa imagem, traduzir de outra forma o que é a história dessa comunidade negra no Brasil”, defende a historiadora Vânia Sant'anna.

 

Para saber mais

 

Favela – Alegria e dor na cidade
Jailson de Souza e Silva e Jorge Luiz Barbosa
Senac Rio, 2006

 

Negros na universidade - Identidade e Trajetórias de Ascensão Social no Rio de Janeiro
Moema De Poli Teixeira
Pallas, 2003

 

Tirando a máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil
Antônio Sérgio Alfredo Guimarães e Lynn Huntley (Org.)
Paz e Terra, 2000

 


Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil
Iray Carone e Maria Aparecida Silva Bento (Org.)
Vozes, 2003
 

Desenvolvimento Humano e Relações Raciais
Marcelo Paixão
DP&A, 2003

 

Lideranças negras
Márcia Contins
Aeroplano e Faperj, 2005

 

Cor e criminalidade – Estudo e análise da justiça do Rio de Janeiro (1900 – 1930)
Carlos Antônio Costa Ribeiro
Editora UFRJ, 1995

 

Os melhores discursos de Martin Luther King – Um apelo à consciência
Editado por Clayborne Carson e Kris Shepard
Jorge Zahar Editor, 2001

 

Miséria da periferia – Desigualdades raciais e pobreza na metrópole do Rio de Janeiro
André Augusto Brandão
Pallas e Ford Fundation, 2005

 

Racismos e anti-racismos no Brasil – Pluralismo étnico e multiculturalismo
Jacques d´Adesky
Pallas, 2001

 

A hierarquia das raças – Negros e brancos em Salvador
Jefferson Bacelar
Pallas, 2001

 

Brasil: Um país de negros?
Jefferson Bacelar e Carlos Caroso (Org.)
Pallas, 1999