Todos os Her贸is

Refer锚ncias Bibliogr谩ficas

Alves, Henrique L. Auta de Souza – poesia em tempo de ternura. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte. Natal (RN), vols. LXX-LXXII, anos 1979-1980.

Carvalho, Jandira. Auta de Sousa. In: Mulheres do Brasil. (Publicação da AlaFeminina da Casa Juvenal Galeno). Fortaleza: Henriqueta Galeno, 1971.

Cruz, Diniz Ferreira da. Auta de Souza. São Vicente (SP): Danúbio, 1991.

Figueiredo, Jackson de. Auta de Souza. (Coleção Eduardo Prado, série C). Rio de Janeiro: Centro Dom Vital/Tip. do Annuario do Brasil, 1924.

Galvão, Cláudio. Cancioneiro de Auta de Souza. Natal: Fundação José Augusto/Editora da UFRN,2001.

Gomes, Ana Laudelina Ferreira Gomes. Auta de Souza: representações culturais e imaginação poética. Tese de Doutorado. Programa de Estudos Pós-graduados em Ciências Sociais. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, abril 2000.

Leão, Nalba de Souza. A obra poética de Auta de Souza. Dissertação de mestrado.Literatura Brasileira. UFSC, 1986.SILVA, Silvan Pessôa e. Auta de Souza e Macaíba. Natal: J.L. Publicidade eComunicação, 1976.
Auta de Souza
(1876鈥1901)

Auta de Souza nasceu em 1876, no município de Macaíba, Rio Grande do Norte. Seus pais morreram quando ela era criança e Auta foi criada pelos avós maternos em Recife. Com 12 anos, uma nova tragédia marcou sua vida: seu irmão mais novo morreu queimado em uma explosão, provocada acidentalmente por um candeeiro.

Educada em colégio católico, Auta rapidamente aprendeu Francês, Literatura, Inglês, Música e Desenho. Em razão do diagnóstico de tuberculose, aos 14 anos, Auta teve que deixar o colégio, mas continuou sua formação intelectual sozinha, tornando-se autodidata.A doença, que já havia atingido seus familiares, não impediu que ela começasse a escrever e a declamar, hábito muito comum em reuniões sociais na época. Em 1894, ela começaria a escrever para a revista Oásis, de circulação restrita, pois era veículo do grêmio literário Le Monde Marche.

Dois anos depois, passaria a colaborar no jornal A República, periódico com maior visibilidade que o primeiro, não só porque era o mais lido, mas por estabelecer permuta com a imprensa de outras regiões. Assim, mesmo vivendo fora do circuito de maior efervescência intelectual, Auta passaria a ser conhecida e ter seus poemas divulgados no jornal O Paiz, do Rio de Janeiro

A partir de 1897, Auta passaria a publicar seus versos assiduamente em A Tribuna, de Natal, um jornal de prestígio, com participação de vários escritores famosos do Nordeste. Sua poesia possuía leves traços simbolistas e circulou nas rodas literárias do país, despertando sempre muita emoção e interesse.

Entre 1899 e 1900, ela usaria os pseudônimos de Ida Salúcio e Hilário das Neves para assinar seus poemas. Vários deles foram musicados por compositores regionais e transmitidos oralmente, desde o final do século XIX.

Seu grande e único livro publicado foi Horto, de 1900, que mereceu prefácio do mais consagrado poeta brasileiro da época, Olavo Bilac. Pouco depois, em 7 de fevereiro de 1901, com 24 anos, Auta sucumbiria à tuberculose.

A poetisa Auta de Souza, autora de textos de conteúdo místico e inspiração cristã, inovou ao escrever profissionalmente numa sociedade em que este exercício era reservado exclusivamente aos homens. Seus versos retrataram suas experiências e ficaram bastante conhecidos, ao serem incluídos em várias antologias e manuais de poesia das primeiras décadas do século XX. Em 14 de novembro de 1936, a Academia Norte-Rio Grandense de Letras instalou a poltrona XX, dedicada a Auta de Souza, em reconhecimento à sua poesia.




Informa莽玫es Relacionadas

www.amulharnaliteratura.ufcs.br
Lopes, Nei. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo, Selo Negro, 2004.